terça-feira, 16 de janeiro de 2024

Futebol e Política — Prisão de jogador reacende tensões entre Turquia e Israel

No último domingo, 14 de janeiro de 2024, um episódio polêmico marcou o campeonato turco de futebol. O jogador israelense Sagiv Yehezkel, que atuava pelo Antalyaspor, foi preso após comemorar um gol com uma mensagem de apoio aos reféns israelenses mantidos pelo grupo Hamas na Faixa de Gaza. A atitude do atleta gerou revolta na Turquia, que é um país de maioria muçulmana e que condena as ações militares de Israel na região palestina.

manifestação de Yehezkel não foi bem recebida pelo público


Yehezkel marcou o gol de empate do Antalyaspor contra o Trabzonspor, aos 23 minutos do segundo tempo. Na comemoração, ele levantou o braço esquerdo, onde tinha uma faixa com os dizeres “100 dias 7.10” e uma estrela de Davi, símbolo do judaísmo e da bandeira de Israel. A mensagem fazia referência aos 100 dias desde o início dos ataques do Hamas contra Israel, em 7 de outubro de 2023, que desencadearam uma nova onda de violência na região. Segundo o governo israelense, o Hamas mantém quatro reféns israelenses em Gaza, sendo dois soldados e dois civis.

A manifestação de Yehezkel não foi bem recebida pelo público e pela imprensa turca, que consideraram a atitude uma provocação e uma ofensa aos palestinos. Logo após o jogo, o Antalyaspor anunciou a rescisão do contrato do jogador, alegando que ele agiu contra os valores nacionais do país. O clube também pediu desculpas ao povo turco e à comunidade islâmica pelo ocorrido.

O clube Antalyaspor pediu desculpas ao povo turco


O caso não parou por aí. O jogador foi detido pela polícia turca e levado para uma delegacia, onde foi interrogado sob a acusação de “incitar o público ao ódio e à hostilidade”. O ministro da Justiça da Turquia, Yilmaz Tunç, afirmou em uma rede social que o Ministério Público de Antalya abriu uma investigação judicial contra o jogador, por causa da sua “ação feia de apoio ao massacre cometido por Israel em Gaza”.

A prisão de Yehezkel causou indignação em Israel, que considerou a medida uma violação dos direitos humanos e uma perseguição política. O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, criticou duramente a postura da Turquia, acusando o país de servir como “braço executivo do Hamas”. Ele também lembrou que Israel foi o primeiro país a oferecer ajuda à Turquia quando houve um terremoto no país, há menos de um ano.

O Ministro da Defesa de IsraelYoav Gallant, criticou a postura da Turquia


Após uma noite na prisão, Yehezkel foi solto na manhã de segunda-feira, 15 de janeiro, e enviado de volta para Israel em um jato particular. Ele foi recebido por apoiadores no aeroporto de Ben Gurion, que disseram que ele merecia o amor e o respeito do país. Em seu depoimento à polícia, o jogador disse que não teve a intenção de desrespeitar ninguém, mas apenas de se manifestar contra a guerra e pelos reféns israelenses em Gaza.

O episódio envolvendo Yehezkel reacendeu as tensões diplomáticas entre Turquia e Israel, que já vivem um momento de crise desde 2010, quando um navio turco que levava ajuda humanitária a Gaza foi atacado por forças israelenses, deixando nove mortos. Desde então, os dois países trocam acusações e sanções, e têm posições divergentes sobre o conflito no Oriente Médio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário